Grupos de Investigação​

Pessoas, Mercados e Políticas

Coordenador:

cferreira@letras.up.pt
Pessoas, Mercados e Políticas

Palavra(s)-chave: Economias formais e informais Economia política e social População, Bem-estar

O GI investiga as interações entre população, economia e sociedade, e a relevância das políticas e instituições no estudo do comportamento humano em diferentes períodos históricos e áreas geográficas. Através de investigação transdisciplinar que examina a estrutura e o bem-estar das populações, a vida quotidiana, as trajetórias individuais e familiares, as mobilidades, as práticas comerciais e empresariais, os agentes socioeconómicos, as políticas, a diplomacia, as relações internacionais e as práticas legislativas e jurídicas, o GI pretende contribuir para a compreensão dos elementos que moldaram a trajetória das sociedades. No centro desta investigação está a questão fundamental: como é que as pessoas, os mercados e as políticas interagem para influenciar os resultados sociais? Ao investigar esta complexa interação, o GI promove a compreensão das sociedades passadas e presentes e fornece contribuições para educadores, agentes sociais e económicos e decisores políticos.

O GI funciona no âmbito do plano estratégico, fomentando a colaboração com investigadores internos e externos. As principais atividades incluem: investigação em arquivos e bibliotecas – empregando fontes primárias e secundárias de instituições portuguesas e internacionais para analisar as interações população/economia/sociedade em contextos históricos e geográficos; infraestrutura de dados – apoiar o desenvolvimento de bases de dados e ferramentas analíticas avançadas para facilitar a gestão e interpretação eficientes de dados; disseminação do conhecimento – encorajar a publicação em revistas indexadas com revisão por pares, tanto em formato impresso como de acesso aberto, para maximizar o alcance e o impacto dos resultados da investigação; financiamento – fornecer orientação e apoio na elaboração de pedidos de financiamento competitivos para garantir recursos para projetos de investigação ambiciosos; intercâmbio de conhecimento – realização de seminários e conferências para investigadores e estudantes de doutoramento, e participação em redes nacionais e internacionais, para estimular o discurso intelectual e promover a investigação colaborativa.