Coesão Territorial

Esta linha temática baseia-se no pressuposto de que o conhecimento do passado local e regional é basilar para a criação de sinergias de desenvolvimento sustentado de cada região e de que as heranças culturais se respeitam pela densidade da nossa arqueologia do saber. Este será tanto mais consistente quento mais tiver em conta os "estratos" de vestígios que foram sendo acumulados nas paisagens milenares das civilizações. Incorporar a investigação do "oculto" com a visibilidade do que é observável, permite identificar permanências e mudanças nas vidas das diferentes civilizações. Aqui tanto nos referimos à arqueologia, como a arquitetura, como à geografia física e humana. O CITCEM tem desenvolvido articulações com as investigações em todas estas áreas científicas e o 3º Encontro CITCEM dedicado a “Paisagem: (I)Materialidade”, realizado em novembro de 2013 serviu a linha Tematica COESAO TERRITORIAL para justificar ainda mais e solidificar estas ligações intercientíficas. A colaboração conseguida na organização partilhada com o CEAU (Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo da UP) só evidenciou o caminho que se pretende percorrer de forma mais consistente, e que se integra na estratégia da Universidade do Porto de promover aproximações entre áreas científicas diversas.

Por outro lado, entendemos que a inscrição na região ajuda a dar densidade e consistência aos trabalhos dos nossos múltiplos investigadores e colaboradores. A investigação a desenvolver sobre os tópicos mencionados enquadra-se, assim, nos Desafios Societais 2 e 5 do Programa Horizonte 2020, na medida em que a riqueza do património cultural (desde as arquitecturas antigas às paisagens construídas, passando pelos artefactos e utensílios culturais) tem um papel central na concepção de património, contribuindo significativamente para o desenvolvimento da economia regional.

De facto, a coesão territorial de cada região depende do conhecimento da sua história cultural, bem como do seu património. Em concreto, serão levadas a cabo investigações em áreas mais alargadas como seja a bacia do Douro, património mundial, dando continuidade a projectos já iniciados e começando outros onde se torna imprescindível recorrer a parcerias institucionais, nomeadamente com camaras municipais, associações culturais com implantação regional. Também por esta razão, esta Linha Temática será articulada com o Desafio Societal 5, do programa Horizon 2020. Assim, em toda a região Norte Litoral se podem identificar os efeitos das partidas e retornos de fluxos migratórios (para o Brasil, no séc. XIX e XX; para a Europa, neste último século), já que pontifica na paisagem rural e urbana a acção dos emigrantes. Importa deste modo conhecer a implantação destes, ao nível local, e avaliar o seu papel económico, social e cultural.

Para o desenvolvimento das diversas coesões regionais foram marcantes alguns períodos concretos da História de Portugal, como é o caso dos séculos XIX e XX. Um estudo aprofundado sobre o Douro na época da Primeira República, bem como o estudo dos cadernos eleitorais desde o liberalismo até ao estado novo, permitirão compreender a evolução social e económica ocorrida em determinados espaços geográficos.

Esta Linha visará, deste modo, a compreensão de dinâmicas do espaço mais restrito como, por exemplo os conventos, cruzando vertentes interdisciplinares e aglutinando vários investigadores dos diferentes grupos da Unidade para assumir responsabilidades de investigação. Incluem-se neste âmbito trabalhos de inventariação e estudo de documentação monástica preservada em cartulários medievais da região de Entre-Douro-e-Minho com vista à compreensão das dinâmicas de construção de uma memória regional, ditada em grande medida pelo processo de selecção/edição documental subjacente à composição destes cartulários, entre os finais do século XI e os meados do XIV. Estas perspectivas cruzam-se, naturalmente, com outras Linhas Temáticas.